Poesia

ZORBA

quarta-feira, setembro 21, 2011Teresa Varela




A cores, relembro a Vida.
Ressaltam na memória
Suavidade, doçura, vitalidade.

Espreita a dúvida
E, em sobressalto,
Refreio o descompasso.







Alma revolvida,
Coração apertado,
Medo e perplexidade.

Uma música sentida,
Indefinida, irreal,
Ressoa-me no espírito.
Pura nostalgia
Da Quimera perdida.



Cavalgo no último dos cavalos alados,
Trotamos nas nuvens,
Apanhamos estrelas,
Num galope desenfreado.

Não Pégaso,
Eu e Zorba,
Este sim, o último,
O meu Cavalo Alado.


Encosto o meu rosto às suas longas crinas,
Que, livres, esvoaçam ao  vento.
Vibro ao ritmo
Do seu potente galopar.

Nossos corações,
Em uníssono,
Batem ao ritmo
Do luar.

Estremeço com o seu resfolgar.
Seguimos a passo, exaustos,
Mas felizes, sobre o manto de  estrelas,
Que nos envolve e ilumina.

O seu corpo, potente e forte,
Aquece o meu frágil coração.
O som dos seus cascos macios
Embala-me no sonho e na ilusão.

Fustigado pelo vento,
O cabelo bate-me no rosto.
Não quero despertar.
Não quero acordar.

Do sonho não vivido,
Mas sentido,
Quero viver,
Intensamente,
Docemente,
As cores e os sabores.

Real, imaginário.
Não me interessa.
Não quero saber.

Belerofonte matou Quimera?
Pois eu a ressuscitei.  
 

Quero Viver.
Recordar, Amar
E, sempre,
Sempre, Sonhar.





Abreijos

Também poderá gostar de ver

0 comentários

Vou adorar ler os seus comentários....
Concorde, discorde, dê a sua opinião...
Volte sempre.
Bem-haja pela sua visita

Popular Posts

PUBLICAÇÃO EM DESTAQUE

PRÉMIOS DE FOTOGRAFIA - ANIMAIS SELVAGENS HILARIANTES - II

PARTE 2 DE 8 Não resisto a partilhar estas imagens fantásticas e divertidas do   "HILARIOUS WINNERS OF THE FIRST ANNUAL ‘COMEDY WI...

recent posts

MY GOOGLE+