MOMENTOS MÁGICOS VI

De capa forte, mais, ou menos, bonita, tem gravado, de forma indelével, título e subtítulo.  Páginas e páginas em branco são, a princípio, o seu único conteúdo.
É assim o  Livro da Vida.
E, a  vida é feita de momentos que vamos escrevendo no nosso livro branco da vida.
Momentos felizes. Momentos tristes. Momentos de confusão. Momentos de medo, de coragem ou cobardia. Momentos de ira, de humilhação ou de desilusão. Momentos de amor, de amizade
Mas, ali, logo no primeiro Capítulo, fica registado o maior e mais espetacular milagre. O milagre da vida. 
Página a página, sem interrupção, escrevemos forte ou com hesitação. Com carinho e alegria. Ou com raiva e frustração. Escrevemos uma história que nem sempre entendemos, que nem sempre dominamos, mas que não podemos reescrever ou apagar.
Reler é sempre possível. Cada página escrita é uma recordação.

Mas, a página seguinte é branca, alva, sem mácula. É mistério e possibilidade. E, para ser escrita, necessita da cor da tinta que lhe irá dar a nossa mão.
Família, amigos, locais serão sempre imortais nas páginas do livro da vida.
Até mesmo as sensações, os cheiros, os sons, os sabores, as lágrimas, o riso e os sentimentos, ficarão para sempre presentes, como se o tempo e o espaço perdessem definição.
Em cada novo Capítulo há uma esperança, uma aposta, um olhar profundo, um salto no escuro, um passo rumo ao futuro.

Porque a vida é vida. Porque não temos rascunho. Vamos dando cada passo num compasso que é o nosso.  Umas vezes rindo, outras chorando.  Uma vezes cheios de certezas, outras de desconfianças.









E, em todo os Capítulos há sempre, pelo menos, um momento em que a Magia da Vida se revela, sem reservas, marcando um ponto tão alto e nada dali para a frente poderá ser igual. 
Não há momentos que não devêssemos ter vivido. Todos, bons ou maus, assustadores ou de desafio, são parte do que nós somos. São ensinamentos. São aprendizagem.
Mesmo que haja um momento em que pomos tudo em causa. Em que o jogo se baralhe. Em que percamos o norte. Em que, no rescaldo da "guerra", pouco faça sentido e não se consiga perceber  o objetivo, nem a conclusão. Esse, longo ou curto, momento será também uma recordação.
Quando faltarem poucas páginas para terminarmos a nossa escrita, tenho a certeza, tudo fará sentido. Todas as páginas escritas serão, de alguma forma, uma força, partes da vida fortes, ternas ou gratas recordações, que darão coesão e sentido ao caminho percorrido e que nos farão sorrir, com nostalgia, percebendo então que tudo valeu a pena e que a vida, por nós vivida, foi importante, teve sentido e valeu a pena.
Mas, porque a vida é só uma, devemos pensar, agora, que o futuro começa no segundo que está quase a chegar e, antes de escrever a próxima palavra, tentemos perceber o que é verdadeiramente importante, para onde queremos ir e o que queremos alcançar. 
Porque os momentos perdidos, as escolhas que não fizemos por medo, mágoa ou ressentimento, o amor que não demos, ou que não soubemos receber, vão todos ditar o prazer com que iremos folhear cada página, cada momento, cada sentimento vivido.

Comentários

  1. Tê irmigamada!
    Que livro invejável...Temos mesmo muitos momentos mágicos e nesses tempos, onde há escassez deles, é muito bom podermos nos agarrar em nossas memórias e termos força para seguirmos em frente!
    Beijuuss n.a.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vou adorar ler os seus comentários....
Concorde, discorde, dê a sua opinião...
Volte sempre.
Bem-haja pela sua visita