Poesia e Reflexões

INQUIETUDE II

quarta-feira, abril 04, 2012Teresa Varela

Ron Eady's "Inquietude" 
Ron Eady was born in Toronto, in 1957. In 2000 he became an elected member of The Ontario Society of Artists (O.S.A.)
“In my work, I like to explore Formations or Forms, whether man made, natural, or the human form. I like to express the support of the form, or skeleton, which reflects its state of transition or tension. 
How they compete with the forces of nature or the pressures of everyday life. Either way, they are dealing with issues or expressing feelings, and are left open to interpretation. I work the surface through a repeated process of painting, burning and scraping, allowing the work to evolve, and lead me into new directions, until it feels complete.

"Algum dia, em qualquer parte, em qualquer lugar, indefectivelmente, encontrar-te-às a ti mesmo e essa, só essa, pode ser a mais feliz ou a mais amarga das tuas horas."
Pablo Neruda
 Olho, sinto, desencadeio,
A meada torcida e emaranhada,
Tantas vezes revista,
Tantas vezes desembaraçada,
Que é vida.
Canto o canto em surdina,
A música que habita e embala
Meu coração.
Oiço, sinto, vivo
Pensamentos, sentimentos,
Meus e alheios.
Num labirinto
Onde luzes e trevas coabitam,
Sorrisos e lágrimas se digladiam,
Certezas e dúvidas se confrontam.
Cada novo dia
É uma renovada estreia.
Quando é chegado o fim,
Retoma-se um início.
Em cada descoberta
Reside a essência do novo mistério.
E, de recomeço em recomeço,
Aguardo o momento, a paz,
O abraço, o repouso do guerreiro.
Sinto que o amor me corre nas veias,
Louco, desenfreado,
Não reconhece limites, nem fronteiras.
Ele se revela de diferentes maneiras,
Varia de forma e intensidade
Mas, vibra, imenso, inteiro,
Forte e sempre renovado.
Sentisse, eu, que, este frenesim que me agita,
É uma linha com sentido,
Que conduz minha vida.
Que o momento em que avanço,
Em que reflito, ou que paro,
Em que me dou, ou extasio,
Em que me enovelo perdida,
Em que me arrisco destemida,
Em que acolho no meu abraço,
Com amor, sem embaraço,
Todo o coração maltratado,
Todo o menino perdido,
Ou qualquer espírito cansado.
Sentisse eu que, nesse meu abraço,
Meu amor tinha o poder de um curativo.
Suspiraria por fim,
Frágil, desprotegida,
Quebrando minhas defesas,
Deixaria que cuidassem de mim,
Segura de que este é, sim,
O sentido da minha vida.



Também poderá gostar de ver

1 comentários

  1. Eiii amaaada!
    Hoje vim por uma única razão: desejar uma Páscoa abençoada para você e seus queridos.
    Beijuuss Tê, n.a.

    ResponderEliminar

Vou adorar ler os seus comentários....
Concorde, discorde, dê a sua opinião...
Volte sempre.
Bem-haja pela sua visita

Popular Posts

PUBLICAÇÃO EM DESTAQUE

PRÉMIOS DE FOTOGRAFIA - ANIMAIS SELVAGENS HILARIANTES - II

PARTE 2 DE 8 Não resisto a partilhar estas imagens fantásticas e divertidas do   "HILARIOUS WINNERS OF THE FIRST ANNUAL ‘COMEDY WI...

recent posts

MY GOOGLE+